segunda-feira, 29 de março de 2010

Tem bilhares de pessoas lá fora
No entanto, elas não importam
Os meus problemas são os maiores agora
Os meus problemas são enorme
São grandes demais para minha cabeça
Há tantas coisas para colocar em ordem
Pra que fazer careta?
Onde armazenar essas magoas, raivas e frustrações?
Resolvê-las libararia espaço
Poderia voltar a sentir as outras emoções
Eu não sou,nem quero ser, de aço

Deixe-me sozinha, vá embora
Não estou acostumada com visita
Mas, por favor, volte amanhã
Acho que preciso de uma amiga.

Deve ter sido tudo uma ilusão
Um pesadelo de tantos anos
Talvez algum objeto me traga animação
Eles sempre despertam os sonhos
Não sou consumista, mas nessas horas sempre nos apegamos a algo
E nessa situação você pensou o mesmo
Expulsar as tentaçõe pode nos tornar amargos
E aí nos ocupamos com as coisas vazias e sem freio
É mais fácil do que pensar nas bilhares de pessoas lá fora.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Brasileirinhos cada vez mais orfãos

Garotos briguendos, bandidos, desequilibrados, viciados, depressivos, ingênuos, analfabetos, preguiçosos, psicopátas, diabéticos, raquíticos, desnutridos, despercebidos, tristes, amargurados, abobalhados. Onde estão os pais??? por que não notam seus filhos? para que colocaram eles no mundo? será que tem consciência disso?
Pra que mais cartazes e cruzes no chão? Para que tanta manifestação? Por que fazem tanta questão de serem ouvidos se não querem escutar? por que não passam o tempo com seus filhos, que vocês trouxeram para cá?

A cada reportagem passada na tv, enchem a boca para falar mal dos acusados, mas não olham para o próprio umbigo, não percebem que não falam nada diferente do que acabaram de ouvir. Eles não acrescentam nenhuma idéia nova, e acham que ir no julgamento pedir que o casal Nardoni seja preso é cumprir com seu dever de cidadão, porém nem sabem quem é o administrador da cidade, como os filhos se comportam na escola,questões ambientais, não sabem pensar, refletir, agir diariamente.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Crescendo

Depois de eu ter me ausentado do orkut, encontrei um texto que escrevi há muito tempo, vou reproduzi-lo aqui:


Eu tenho estado só esse tempo todo, sem saber como sair disso, talvez ser o que os outros queirão que eu seja é uma saída, mas essa, concertez, não é a minha saída. Possivelmente eu até fui feliz, mas não completa e verdadeiramente. Há várias pessoas a sua volta, porém com quem você se abre realmente? Você tem certeza que são seus amigos? como? Não sei como sair dessa. Acho que isso está me sufocando. Entretanto, quem liga?


Fiquei no muro por um bom tempo, creio que consegui uma escada para descer e estou no segundo degrau, falta muito e ainda dá para ver o outro lado, mas pelo menos eu ja escolhi o lado.