terça-feira, 20 de abril de 2010

A claridade me irrita
O escuro me dá medo
Mas quando o dia amanhece, tudo fica bem
Não há segregos
E nem a espera de ver alguém

Será que é uma coisa nociva?
Porém não poderia ser mais ameno
Senão seriamos como os comunistas
e o mundo não pode ser comandado por apenas uma doutrina
Apesar de não ser tão forte
A curiosidade me anima
esse mundo além da morte
Fascina-me!

Então o escuro não é tão ruim
e nem a luz é tão irritante
o que perturba são as coisas dentro de mim
que tornam-se vibrantes

terça-feira, 13 de abril de 2010

O veneno da idealização

Eu nunca tive vontade de usar droga, acho que o porquê é eu sempre ter me sentido um nada, se usasse iria me considerar um lixo. Preferi ser um nada do que um lixo, o lixo atrapalha, apesar de o nada às vezes irritar as pessoas que o notam, então tentei ser o nada menos irritante possível. O problema é que não quero ser assim, e nessa vontade de mudar e querer dizer tudo que eu penso, acabo tento que "aparecer" sem querer ninguém ao meu redor, porque é o mesmo que ficar sozinha com cameras a te analisar, elas não pensam e só te descrevem. Se eu quisesse ver os meu atos espalharia espelhos por toda a casa, assim não precisaria de ninguém. Não passa pela cabeça das pessoas que nós sabemos que estamos errados, assim elas preferem nos torturar a tentar nos entender e a buscar uma saída. Eu prefiro o funk do mc créw do que os livros do José de Alencar, é mais fácil achar uma mulher que dance igual uma cadela do que uma estátua de porcelana ambulante incorporada por uma santa, ficamos tentando ser algo que não existe, uma idealização, e assim nos tornamos nada perante ao espelho. Será que vou tentar a minha vida toda ser algo agradável e perfeito para que as pessoas possam gostar de mim? Não tem ninguém aqui agora, mas vejo as expressoes de censura e os comentários de um ato ilícito : na frente da TV, sentados lendo jornais, olhando para seus filhos, olhando para os seus pais, na mesa de jantar, no sermão dos padres, no bacharel que aprendeu o código da "sabedoria", nesse meu texto. Se não fossemos tão ignorantes em ignorar as ignorancias dos outros o mundo seria bem melhor.