domingo, 28 de novembro de 2010

Excomungar-me-ei

Dê-me algo para eu segurar
Um motivo para ficar
Uma razão para querer-te

Se alguém aí me ouve
Mande-me força de vontade
Tire-me desse entojo
Quero Doses de alegria
a fim de sobreviver a apostasia

O que vem depois?
Nada parece mudar esses sentimentos
Apenas momentaneamente

É doloroso pensar que não há ninguém aqui
É fastidioso respirar assim
Viver sem o ditador fabuloso
Um alvoroço sem fim!

domingo, 14 de novembro de 2010

Como diz o filme : -I want to believe




Imagine 4 caras com as faces pintadas medonhamente cantando uma música tão poética como essa.

Somos um : você sou eu, eu sou você, todos de nós estamos dentro de você. Acredito que a frase seja o ponto máximo, não sei o que pode vir depois disso. Acada com as idéias mitológicas da intervenção dos deuses e as teorias separativistas do capitalismo. Apesar de concordar com a música, nunca vi coisa assim na prática, e se algum dia chegarmos a tal evolução, não vejo sentido em contentar-me com essa finalidade. " Mas erga sua cabeça e deixe seu espirito voar, mantenha a esperança viva lá no fundo."

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

" E queremos fugir, mas ficamos sempre sem saber."

Estou tão cansada,
não compreendo essa psique torturante
Esses atrasos de resoluções
Por que sempre deixamos para depois?
Por que a vida passa sem se importar com isso?

Você não vê que o tempo também cobra juros
Ele sempre aumenta os conflitos,
ele vem como picos de insulina,
mas o medo torna- nos pacíficos
e acomodados

O conformismo nos consome
A fuga nos desgasta
E o que fazer?
E se a fera for grande demais para enfrentarmos?
Será pior do que várias fatiadas durante toda a vida?

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Instiga o estoicismo

Faço da ação uma ponte
com invisíveis obstáculos

Faço dos passos o meu sorriso

Objetivo tão distante
entre o sólido e o vácuo

Quero muito mais

Quero o nada

O nada todo

Sem fachadas
Sem enfeites visuais


Entrar com o lodoso
Com o repugnante
Como um ser mondrongo
e flutuante
Tornar único, conjunto de espaço.