quinta-feira, 4 de outubro de 2012

"But life still goes on"

Chego
um vulto pela janela
deve de ser o Tal
que não existe
 malgrado isso
ninguém me espera
sou eu quem abre a porta
e adentro o vazio do apartamento
O céu com a luz apagada
faz vencer a melancolia
e vai-se meu sorriso
choro bonito
nem tomo banho
deito e me acanho

mas lembro quem sou eu
e quem é o tal
Ergo-me e combato
Ligo o som para espantá-lo
e ainda vou mal
Dou-lhe tiros violentos de água fria
Amordaço sua boca e canto com a música
" I want to break free, I want to breeeeeeeeeeeak freeeeeeeeeeeeeeeeeee!"

A tristeza pira com Fred Mercury!!

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Azul céu de águas infinitas


Vou deixar o céu passar
e jogar chuva na sua cabeça
Vou segurar todos os pássaros
e deixar a foto mais passarida

Dança, requebra
Grita, faz zunido
e sai da roda
que rodando não dá pra andar

continua a passar
passarinhos no céu
a nuvem não deixa a chuva sair
e a imagem fica ensolarada

Gira e pula
deita, olha pra cima
e o movimento de rotação ressurge

o céu vai passando mais rápido
os pássaros são pontinhos pretos

Olho pro céu e vejo que ele é azul
ou é a chuva que começa a cair
quando olho bem o seu sem fim
entendo que o sem fim é da cor azul
ou um oceano infinito.




sábado, 14 de julho de 2012

Enraizando

Sentiu...
Do couro do sapato ao tecido da roupa
do vento no rosto ao frio nos ossos
da água que se escorria pelo nariz
ao sorriso que estendia e retraia a boca

sabia o que era isso
sabia que existia
mas ainda não havia percebido

e então bateu o vento
desvendando os sentidos
atendendo aos pedidos


E viu-se as células que compoem a pele
as curvas que formam o corpo
buracos embaixo do nariz
e cinco dedos no pé

Sentiu um conforto
Um fincar de raiz
Um afeto se estender por si
Calou-se irradiando amor!

domingo, 13 de maio de 2012

(Im)puro



O braço seu
que me dobra
pelas costas
alerta o calor

que guardo numa bola
arredia
orgânica
no meu interior
Me gira, arrebata meu vazio
já não há frio

Não grito fogo porque não convém
É silencioso
É desvairado
Gostoso!
É simples,

mas é pecado.

Desabafo


Hoje eu só queria saber,só queria saber e saber mais. Ou não ter dúvida nenhuma. Tem que ser assim, não? Com as dúvidas, procuramos nos informar, sem elas, não. Mas às vezes não temos dúvidas, porque nem pensamos sobre o assunto, e enfiam-nas goela abaixo para que nos tornemos seres pensantes. Essas dúvidas cada vez mais vazias de dizer que sei, que entendi. Dúvidas de pensamentos, de poeira, que só incomodam. Preguiça é não ler por 4 horas, é não se enfurnar. Temos que refletir, comece já antes que chegue o último semestre, para colocar no currículo latter que refletiu alguma coisa. Não gosta de pensar, vá trabalhar de empregada doméstica ou de garçonete. Isso não quer dizer que achamos que essas profissões sejam de gente que não pense, imagina!! Não somos preconceituosos, sou muito cabeça aberta no meio acadêmico, só não me venha com Estamira e Carolina de Jesus que já é outro assunto.  Então o fundador de umas das melhores universidade do Brasil, diz no livro Meus índios, minha gente:

"Aprendi com ele, com Anakanpukú e outros índios com quem trabalhei, a apreciar e admirar esses intelectuais iletrados. Eu os conheci, também, entre lavradores e pioneiros pobres, ainda que menos vivazes, porque estão dominados pela ideia de que os saberes pertencem aos doutores.
Intelectual para mim, é, pois, aquele que melhor domina e expressa o saber de seu grupo. Saberes copiosíssimos, como o dos índios, sobre a natureza e sobre o humano, ativados por uma curiosidade acesa de gente que se acha capaz de compreender e explicar tudo. São saberes mais modestos, frutos de uma lusitana tradição oral, vetusta, ou de heranças culturais de ouras matrizes, como a de nossos sertanejos."




E faz-se um memorial com o nome dele. Fim!

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

De repente não há você

-Amanhã, ele disse
Conversaremos.
E ficou por lá

Nem um resumo
Ao menos
Quis me adiantar
(Ansiedade, frio na barriga)

Mal sabia,
Ai de ti!
Nunca mais!
Foi-se para além

Deixou somente a dúvida
Talvez como herança
Dentro de mim

Eu e a terra
Ele e o ar
Como estabelecer comunicação?