domingo, 18 de junho de 2017

Materialmente ilusório

Olho-me no espelho
certifico-me que estou só
me observo
tão eu
tão certo
meu corpo
parado e fosco
me confunde
e de fora
interiormente
me pergunto:
sou abrigo ou gaiola?
atordoa, fico a olhar
um pedaço de carne refletido
tão turvo e sem brilho
no vidro a me tampar
tão miúdo
camúfla o mundo
que mora em mim
que eu engulo
todos os dias

o concreto é assim
dizem que é de verdade
mas está aí uma prova
que é uma grande ilusão